PRINCESA LEOPOLDINA – “A MÃE DOS BRASILEIROS”

Muito além de uma princesa acanhada e melancólica, Leopoldina teve grande destaque na cultura e na política brasileira. Culta, preparada e caridosa, a princesa austríaca foi amada principalmente pelos pobres e escravos do Brasil. Era chamada
A Mãe dos brasileiros”


Retrato de Dona Leopoldina de Habsburgo e seus filhos, 1921
Domenico Failutti, 1921
Óleo sobre tela 233 x 133 cm
São Paulo, Museu Paulista

Carolina Josefa Leopoldina Francisca Fernanda de Habsburgo-Lorena (1797-1826) a nossa princesa Leopoldina, nasceu em Viena, descente de uma das mais antigas dinastias da Europa  – A Casa de Habsburgo –  Leopoldina recebeu educação esmerada na qual incluía o estudo sério da música.O compositor  Franz Schubert (1797 – 1828) era amigo de sua família e frequentador assíduo do Palácio de Schönbrunn onde a princesa residia na Áustria.

Das princesas normalmente não se exigia muito, elas deveriam aprender além de bons modos, bordar e tocar um pouco de piano. Porém, na casa dos Habsburgos, as mulheres deviam aprender muito mais, possuindo um nível cultural elevado, submetidas, desde a infância, a um programa intensivo de aulas diárias,  adquirindo conhecimentos científicos, políticos, históricos e artísticos.

O responsável pela formação musical de Leopoldina, na Áustria, foi o compositor nascido na Boêmia (atual República Tcheca), Leopold Koželuh (1747-1818). Além de ser professor de música de Leopoldina, Koželuh conviveu intensamente com a princesa, conforme ela própria narrou por cartas à irmã Maria Luiza:

 “Na ultima sexta-feira toquei um concerto de Koželuh, que saiu muito bom, […] dezessete músicos me acompanharam e eu tremia como vara verde. […]”. (KANN, 2006, p. 191).

Aos vinte anos a princesa Leopoldina casou-se com Pedro de Alcântara (1798-1834), futuro dom Pedro I do Brasil e Pedro IV de Portugal. Naquela época, o casamento entre nobres significava um tratado de relações exteriores, na realidade visando interesses políticos e econômicos entre os países envolvidos.

Leopoldina, ao se casar por procuração com o Príncipe dom Pedro I,  não sabia muito bem o que a esperava no Novo Mundo, a princesa trouxe então  para o Brasil além de grande comitiva composta de pintores, cientistas e botânicos europeus, um grande acervo de partituras, na qual inclui as obras do professor Koželuh.

Muito amada pelos brasileiros, Leopoldina  viveu, no Rio de Janeiro,  em uma corte pobre e repleta de problemas. Culta, preparada e caridosa, a princesa austríaca foi amada principalmente pelos pobres e escravos do Brasil. Era chamada “A Mãe dos brasileiros, e, embora  tenha sido retratada até pouco tempo, como uma mulher melancólica e humilhada com os escândalos e relações extraconjugais do príncipe, a historiografia mais recente,  têm reivindicado a Maria Leopoldina uma imagem menos passiva na história nacional.

Muito além de uma princesa acanhada e melancólica, Leopoldina teve grande destaque na cultura e na política brasileira. É considerada, atualmente, como a primeira mulher a governar o Brasil. Era Leopoldina quem estava no poder no Rio de Janeiro quando dom Pedro proclamou a Independência às margens do Rio Ipiranga, em São Paulo.

O gosto pela música tanto dela como do marido Pedro foi o primeiro elo de interesse do casal. Com educações tão diferentes, a Sala de Música,  tornou-se  um ambiente muito utilizado para o convívio do príncipe e da princesa.


Hino da Independência (1922)
Augusto Bracet
Óleo sobre tela 2500x 1900 cm
Rio de Janeiro, Museu Histórico Nacional

Ao levar para o Brasil seu acervo de partituras, e praticar estas obras em terras brasileiras, a Princesa Leopoldina contribuiu fortemente para a mudança da forma de compor de compositores que viveram e ou nasceram no Brasil deste tempo histórico.

Para ilustrar a vida musical da princesa, ouviremos de Leopold  Koželuh  o Concerto n. 1 em Fá Maior  para piano e orquestra interpretado pela pianista Tomas Dratva,  com a Slovak Sinfonietta Žilin da Eslováquia, regido pelo maestro  Oliver von Dohnanyi.

Observe  no concerto para piano  e orquestra de Leopold  Koželuch a personificação do clássico vienense, caracterizado pela leveza e elegância do som e a clareza formal de sua estrutura composicional.  

Boa audição!

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas redes sociais!

2 comentários em “PRINCESA LEOPOLDINA – “A MÃE DOS BRASILEIROS”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: