O ADEUS A NELSON FREIRE (1944 – 2021)

gênio do piano brasileiro
Nelson Freire (1944 – 2021)

Partiu na madrugada de segunda-feira (01/11), o pianista que considerava o piano como se fosse uma pessoa, que o acompanhava desde sempre.

Artista brasileiro universalmente consagrado, recebedor de honrarias em muitos países, convidado a tocar nas melhores salas de concerto do planeta, com as orquestras mais prestigiadas e os regentes mais em evidência.

De Nelson Freire (1944 – 2021) guardamos a lembrança de seu piano magistral. Em cada interpretação iluminava a obra com um inigualável poder de recriação. Sua arte era mesmo transcendental!

A partida de Freire fez chorar o mundo da música. Segundo o crítico francês Alain Lompech (1954):

“é possível encontrar três ou quatro pianistas tão excepcionais quanto Nelson Freire, mas ninguém encontrará um melhor”.

Tantas honrarias, contudo, não alteraram o caráter do menino nascido na pacata Boa Esperança, nas Minas Gerais. Desde a mais tenra infância já demonstrou incríveis sinais de seu talento musical e sua família, impressionada por suas capacidades, transferiu-se para o Rio de Janeiro quando ele tinha apenas cinco anos de idade, buscando uma educação musical de qualidade para o prodigioso menino.

Nelson Freire

Em entrevista para a Revista BRAVO Nelson Freire assim se posicionou:

(…)“aos 5 anos, minha família toda mudou-se para o Rio por minha causa. Foi uma transferência incrível, penso nisso até hoje, pois meus pais já tinham uma certa idade — meu pai tinha 46 anos, era farmacêutico em Boa Esperança e até mudou de profissão, foi ser gerente de banco, deixou a farmácia. Éramos 9 irmãos e havíamos passado a vida inteira numa cidadezinha pequena, agradável, onde todo o mundo se conhecia. Eu causei uma revolução na vida deles, e eles tiveram uma coragem enorme de fazer isso por causa de um menininho de 5 anos, mudar-se para o Rio de Janeiro, que era outro mundo, uma capital da República!”

Nelson Freire aos 10 anos

No Rio, Freire foi orientado por duas grandes educadoras, a gaúcha Nise Obino (1913 – 1995) e a paulista Lúcia Branco (1903 – 1973).

Nelson Freire; Luiz Eça; Lúcia Branco; Jacques Klein, Nise Obino e Moreira Lima (1956)
www.institutopianobrasileiro.com.br

“(…)Comecei muito cedo, e se nesse princípio eu tivesse sido mal orientado, poderia ter sido um menino prodígio explorado por professores”. Nelson Freire

Com Nise Obino,  Freire teve uma relação de amor. Ele era movido pelo amor pelas pessoas e pela música. Nelson repetiu em muitas entrevistas:  “Converso com a Nise todos os dias…”

Aos 12 anos, Nelson Freire foi  finalista no I Concurso Internacional de Piano do Rio de Janeiro (1957),  examinado por pianistas como  Guiomar Novaes (1894 – 1979), pianista por ele sempre admirada e que compôs o júri na ocasião.

Após tão importante conquista, Freire recebeu do então presidente Juscelino Kubitschek (1902 – 1976) uma bolsa de estudos que o levou a Viena, onde estudou sob a orientação de Bruno Seidlhofer (1905 – 1982).

Finalista do I Concurso de Piano do Rio de Janeiro (1957). Da esquerda para a direita: Nelson Freire (com 12 anos na época, tocou o 1º mov. do Imperador de Beethoven na final); Giuseppe Postiglione (italiano, 2º lugar); Alexander Jenner (austríaco, 1º lugar); Sergei Dorensky (russo, 2º lugar); Claude Albert Coppens (belga, “Prêmio Villa-Lobos”); Fernando Lopes (brasileiro”melhor intérprete das mazurcas”); e Mikhail Voskresensky (russo). Acervo de Nelson Freire
www.institutopianobrasileiro.com.br
 

Ao chegar na Europa conheceu a pianista argentina Martha Argerich (1941). Amigos desde 1959, Marta e Nelson eram mais que amigos, eram confidentes, eram irmãos, eram almas gêmeas.

Nelson e Martha

Aos 19 anos conquistou o primeiro prêmio internacional,  no Concurso Internacional Vianna da Motta, em Lisboa, que lhe garantiu  a representação por uma importante agência de empresários musicais, Conciertos Daniel, com sede em Madri, fase em que  tocou em quase todos os países da América Latina e também na Espanha. Foi esse o período da descoberta da virtuose de Freire pela crítica internacional:

“o jovem leão do teclado”Times, Londres

“um dos maiores pianistas dessa ou de qualquer outra geração”.Revista Time, Nova York

Nelson Freire se tornou um artista consagrado internacionalmente. Gravou com importantes selos internacionais. Recebeu numerosas condecorações como a de Cidadão Carioca, Cavaleiro da Ordem do Rio Branco, Légion d’Honneur, Comendador des Arts et des Lettres, Medalha Pedro Ernesto, Medalha da Cidade de Paris, Medalha da Cidade de Buenos Aires e o título de  doutor honoris causa pela Escola de Música da UFRJ.

Em 2003, o cineasta João Moreira Salles estreou o documentário “Nelson Freire”  – um filme sobre um homem e sua música. Ao saber da partida de Nelson Freire, assim falou:

“Os documentários que eu vinha fazendo até então tratavam de desordem, de violência e de desagregação. Tive vontade de filmar o contrário daquilo e Nelson foi o caminho. Ele encarnava valores de um humanismo essencial a todo projeto de civilização decente – a transmissão da beleza, o imperativo moral do trabalho bem feito, a recusa de toda vulgaridade e espalhafato. Um presidente que tira a máscara de um bebê e força uma criança a fazer uma arma com as mãos é uma imagem verdadeira e poderosa do país. Mas não é a única. Nelson Freire, o pianista, não o filme, representava e representa – nos discos, nos registros dos concertos, na vida discreta que levou -uma outra face do Brasil, o lado capaz de nos salvar. Seu talento não está ao alcance de maioria de nós, mas a decência, sim.”

documentário “Nelson Freire”

O mundo da música não será o mesmo sem o piano de Nelson Freire. Mas, como ele mesmo disse:

A música tem esse poder de transmissão universal, talvez por ser etérea, não se pode segurar a música, ela precisa ser ouvida”.

Ouviremos Nelson Freire interpretando a Sonata ao Luar (n. 14) de Ludwig  van Beethoven (1770 – 1827) em gravação de 2009 no Festival de Inverno de Campos do Jordão-SP.

Observe a interpretação magistral dessa famosa Sonata. Ouvir Nelson Freire é sempre um ato de amor.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

2 comentários em “O ADEUS A NELSON FREIRE (1944 – 2021)

  1. Sou Neto da grande mestre e professora do Renomado pianista Nelson Freire que fez parte da minha vida até recentemente, quando fez sua passagem. Nesse momento o céu está em festa e nosso querido Nelson deixa sua marca em nossos corações através da sua arte no piano.
    Descanse em paz e em em breve nós estaremos todos juntos novamente em outro plano astral.
    Desde que minha avó faleceu a minha mãe, tia e o Nelson vinham escrevendo a biografia da Nise Obino. Com o falecimento de minha mãe e minha tia e agora do Nelson esse material está todo em minhas mãos e venho trabalhando nele no sentido de lançar um belo livro de arte, que através de relatos certamente deixará registrado a trajetória da música erudita e brasileira em nosso país .
    Deixo aqui meu contato, caso tenha interesse em participar.
    E-mail : veigadoamaralalexandre@gmail.com
    Celular: (21)983698215

    Curtido por 1 pessoa

    1. Prezado Alexandre, terei imenso prazer em participar. Já estou até pensando em dedicar uma postagem a sua avó.
      A vida dela é inspiradora. Deixo também o meu contato para irmos falando. Tenho grande amizade com Luiz Medalha (que mora aqui em Goiânia) e Marcelo Alvarenga, grandes admiradores de sua avó. Abraço fraterno, Gyovana (62- 999727180)
      carneiro.gyovana@gmail.com

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: