“ROMANCE SECRETO”

uma Série para quem ama música

Romance Secreto”, com título original “Secret Love Affair” (2014).

Continuando com indicações de programas para os amantes da música de concerto, a sugestão é “Romance Secreto”, com título original “Secret Love Affair” (2014).

A série é produzida pela emissora de televisão JTBC, da Coreia do Sul, foi escrita por Jung Sung Joo e dirigida por Na Pan Seok.  

Esse drama é, sem dúvida, uma jóia rara escondida na Netflix; especialmente para aqueles  que amam música de concerto. 

“Secret Love Affair” gira em torno da história de duas almas de mundos distintos que se encontram para viver uma paixão proibida. Luxo, ostentação e falsidade se encontram com uma vida repleta de dificuldades, perdas, sinceridade e transparência, onde a paixão que ambos nutrem pela música se transforma no ponto de partida para um romance nada ortodoxo. 


Ji jin Hee como Kang Joon Hyung ; Kim Hee Ae como  Oh Hye Won  e  Yoo na In como Lee Sun
 

Embora o amor pela música seja a tônica da série, em cada episódio, os bastidores da academia de música, nem sempre “maravilhosos”, vão se revelando.

Como diretora de uma afamada Fundação de Arte, trabalhando diretamente com toda a família que gere o grupo, Kim Hee Ae como Oh Hye Won, uma talentosa pianista, abandona a carreira em prol da destacada posição e se perde em meio a sua ambição. 

Kim Hee Ae como Oh Hye Won

Aos 40 anos Won é casada com o professor de piano da mesma Fundação, Kang Joon Hyung. Já nos primeiros episódios o espectador percebe as fragilidades do casamento do casal de pianistas.

Oh Hye Won e Kang Joon Hyung em Romance Secreto”

Já o jovem Lee Sun, interpretado pelo ator  Yoo na In, é um moço simples, que trabalha como entregador e secretamente toca piano. Como um jovem do século 21, Lee grava vídeos tocando e posta na internet com o pseudônimo “SOU UM GÊNIO”.  

Lee Sun em Romance Secreto”

Won vive cada vez mais perto do luxo, da riqueza e longe de seu piano. O jovem Lee, ao contrário,vive na total miséria, com todas as dificuldades financeiras, mas não consegue se afastar da música.  Quando Won e Lee se encontram, o amor pela música fica evidente.

De forma envolvente a série não gira em torno apenas dos dois protagonistas, mas também mostra o mais profundo da vida daqueles que os rodeiam. A direção é impecável com ângulos de câmara sugerindo estarmos espionando os personagem em cena. 

Os atores, sul-coreanos, pouco conhecidos, foram escolhidos com todo cuidado, têm uma química impressionante e há cenas que mesmo sem diálogo, nos tira o folego, nos envolvendo com muita música e paixão. A música é um motivo a mais para saborear a série. 

Won e Lee em “Romance Secreto”

Ouviremos  trechos da Fantasia para piano a quatro mãos em Fá menor de Franz Schubert (1797-1828). Obra recorrente nesse blog, está presente em vários filmes, aqui, ela será executada pelos protagonistas.

Franz Schubert (1797-1828)

A Fantasia de Schubert começa com um tema absolutamente memorável, que ressurgirá no finale, tanto recapitulado literalmente quanto servindo de base para uma imensa fuga. Após a fuga, um final inesperado – sombrio, simplesmente fantástico, tal qual um “romance secreto”.

Observe! Na prática do piano a quatro mãos predomina a existência de laços de intimidade dentre seus executantes; talvez estes laços possam ser justificados pelo misto de proximidade e embate entre os corpos que perfazem a execução, possibilitando ao espectador um espetáculo também visual.

Confira no vídeo, com um trecho da série, os protagonistas tocando a quatro mãos e se encontrando através da música.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

“A ÚLTIMA NOTA”

um filme para os amantes da música de concerto

A Última Nota” – título original “CODA”.

Segundo Friedrich Nietzsche “Sem a música a vida seria um erro”. Com essa citação filosófica, inicia-se o filme “A Última Nota”, com o título original “CODA”. A produção canadense com direção de Claude Lalonde já está disponível nas plataformas digitais.

No dicionário Grove de Música, CODA, é descrito como “a última parte de uma peça ou melodia; um acréscimo a um modelo, ou forma padrão. Na fuga, a coda é o material musical que surge após a última entrada do sujeito e, na forma sonata, o que vem após a recapitulação”.

Como uma CODA, o filme a “A Última Nota“, fala da vida de uma artista na terceira idade, relatando um dos períodos mais delicados da carreira do pianista fictício Henry Cole interpretado por Patrick Stewart.

Como “a parte final de uma melodia” o músico sofre ao decidir se é hora de continuar ou encerrar a carreira. Uma reflexão que faz parte da vida. Qual será a melhor hora de encerrar uma carreira? Será esse o momento certo de parar?

Henry Cole dedicou sua vida ao trabalho, pianista de grande sucesso, se afastou dos palcos após o falecimento de sua esposa. O dilema do filme gira em torno do esperado retorno ameaçado por uma crise repentina de ansiedade.

A Última Nota”

Neste momento, entra em cena a jornalista Helen Morrison interpretada pela atriz Katie Holmes na qual Henry Cole passa a confiar.

O pianista “Henry Cole” fala:

Eu não consigo. É como se eu estivesse remando na beira de uma cachoeira”

Patrick Stewart interpreta Henry Cole e Katie Holmes interpreta Helen Morrison no filme “A Última Nota”

Helen” diz:

“você os deixa feliz, só precisa tocar” (…)

A narrativa do pianista é contida e ao mesmo tempo marcante. Aos poucos o espectador vai conhecendo a trajetória do pianista através das poucas pessoas que o cercam, além da jornalista, seu agente Paul interpretado por Giancarlo Esposito.

Paul interpretado por Giancarlo Esposito

Incrível a interpretação de Patrick Stewart ao construir um personagem que é ao mesmo tempo admirado por todos, mas, por dentro, está desmoronando diante da vida, passando com sua atuação magistral, a angustia do seu personagem, para o espectador.

Cena do filme “A Última Nota”

O roteiro de Louis Goldout instiga o público. Como uma Sonata em três movimentos, por vezes metafóricos, o filme leva o espectador a acompanhar flashes da vida de Henry, seu deslocamento do tempo presente para memórias do passado e a eventual fusão entre os diversos tempos em suas memórias. Tudo isto com paisagens de tirar o folego e uma trilha sonora especial para os amantes da música de concerto. 

O filme possui uma sutileza própria, e, quem gosta de música deve mesmo ver esse filme. Lá você poderá ouvir boa música e refletir sobre a carreira de um grande pianista.

Ouviremos um pianista da vida real. O argentino Daniel Barenboim (1942) interpretando uma das obras que estão no filme. De Ludwig van Beethoven (1770 – 1827) a  Sonata para piano No. 23 in F minor, Op. 57 “Appassionata”.

Daniel Barenboim (1942)

Observe que “A Última Nota”  traz interessantes e ricas abordagens, que tem como fios condutores a música e arte. Aproveite para desfrutar a brilhante interpretação de Daniel Barenboim nessa Sonata de Beethoven.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

“AS MENINAS” DE VELÁSQUEZ

e a Pavane pour une Infante Défunte de Maurice Ravel


“As Meninas” (no original Las Meninas)
Pintada em 1656 pelo artista espanhol Diego Velázquez (1599-1660).
Atualmente ela faz parte do acervo permanente do Museu do Prado, em Madrid (Espanha).

 

O compositor francês Maurice Ravel (1875 – 1937) era um homem de temperamento acanhado que não frequentava eventos sociais, preferindo sempre dedicar-se ao seu trabalho musical.  No ano de 1901 que começa a mostrar seu virtuosismo ao piano, com a composição “Jeux d`Eau”

Maurice Ravel (1875 – 1937)

Foi nesse período que compôs uma de suas peças mais conhecidas,  a Pavane pour une Infante Défunte,   originalmente composta para piano no ano de 1899, quando Ravel ainda era aluno, do também compositor francês,  Gabriel Faurè (1845 – 1929).


Gabriel Faure (1845-1924),  Jean Roger-Ducasse (1873-1954), Louis Aubert, A.Z. Mathot, Maurice Ravel, Andre Caplet, Charles Koechlin, Emile Vuillermoz  e Jean Hure,.
(fotografia – Albert Harlingue/Roger Viollet via Getty Images)

Segundo Ravel, Pavane pour une Infante Défunte, trata-se de exercício  de composição que tinha como inspiração um quadro do pintor espanhol. Alguns estudiosos acreditam que essa obra de Ravel foi inspirada na imagem da princesa Margarida, filha do Rei Felipe IV, presente no quadro “As Meninas” de Diego Rodríguez Velásquez (1599 – 1660). 

Princesa Margarida,  detalhe da obra de Diego Velásquez

Ravel tinha uma predileção por tradições espanholas, e a “Pavana” é uma tradicional dança cortesã europeia, em movimentos lentos que obteve grande popularidade entre os séculos XVI e XVII

Essa predileção e entusiasmo nostágico pelos costumes e sensibilidades espanhóis, Ravel compartilhou com muitos de seus contemporâneos, como Debussy (1862 – 1918) e Albéniz (1860 – 1909), e, se evidencia em algumas de suas outras obras, como a “Rapsodie Espagnole” e o afamado “Bolero”

 A “Pavane pour une Infante Défunte” foi dedicada à princesa Edmond de Polignac, Winnaretta Singer, filha do criador das máquinas de costura Singer.  

Princesa Edmond de Polignac

Pavana para uma princesa morta, segundo relatos do próprio autor, não evoca nenhum momento histórico, nenhuma morte trágica,  cujo título foi escolhido unicamente pela repetição consecutiva de sons consonantais idênticos ou parecidos na língua francesa. 

“Não se surpreenda, esse título não tem nada a ver com a composição. Eu simplesmente gostei do som dessas palavras e eu as coloquei lá, c’est tout “.

A obra foi publicada pela primeira vez em 1900, atraindo pouca atenção.  Até que o pianista espanhol Ricardo Viñes (1875 – 1943) a executou em 5 de abril de 1902, na sala Pleyel, durante um concerto da Société Nationale, tornando-a muito popular.  

Ricardo Viñes (1875 – 1943)

Orquestrada em 1910,  a estreia aconteceu nos Concertos Hasselmans, no dia 25 de dezembro de  1911 regido por Alfredo Casella (1883 – 1947).

Alfredo Casella (1883 – 1947)

Ravel nasceu em 7 de março de 1875 na cidade de Ciboure na França ingressando no Conservatório de Paris apenas aos 14 anos de idade.  Durante anos Ravel se preparou para concorrer ao evento que consagrava novos talentos, o Grande Prêmio de Música de Roma.

O francês, considerado um dos favoritos à conquista em 1900, sofreu sua maior decepção ao ser derrotado, fato que marcou a personalidade do compositor, tornando-se, desde então uma pessoa arredia.  Com todo sucesso de Pavane pour une Infante Défunte, Ravel passou a considerá-la “pobre em forma”.

Ravel compôs obras primas, sendo um dos grandes compositores da história da música, no entanto o fim de sua vida não foi fácil, devido a lesões no cérebro, faleceu em Paris em 28 de dezembro de 1937. 

Maurice Ravel (1875 – 1937)

Ouviremos “Pavane pour une infante défunte” de Maurice Ravel com a Filarmônica de Londres com a regência do Maestro Esa-Pekka Solonen (1958). Em tempos de pandemia, essa gravação foi realizada, com transmissão ao vivo, em 29 de outubro de 2020 em uma Live no Royal Festival Hall.

Observe que a “Pavane” é uma dança lenta.  Ravel indicava que a obra fosse interpretada “extremamente lenta”.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

MORITZ MOSZKOWSKI (1854-1925)

compositor francês de origem polaca


Moritz Moszkowski (18541925)

Segundo o dicionário GROVE de Música, o Estudo é uma peça instrumental destinada basicamente a explorar e aperfeiçoar uma faceta particular da técnica da execução.

As origens dos estudos concertísticos, destinados tanto à apresentação pública quanto à didática do piano podem ser muito bem compreendidos a partir dos Estudos de Muzio Clementi (1752 – 1832), Johann Baptist Cramer (1771 – 1858), Carl Czerny (1791 – 1857), Ignaz Mocheles (1794 – 1870), Frédéric Chopin (1810 – 1849), Franz Liszt (1811 – 1886), Nikolayevich Scriabin (1872 – 1915), Claude-Achille Debussy (1862 – 1918) Moritz Moszkowski (18541925) e muitos outros.

Clementi (1752 – 1832), Cramer (1771 – 1858), Czerny (1791 – 1857) Mocheles (1794 – 1870), Scriabin (1872 – 1915), Debussy (1862 – 1918)

Os estudos do compositor Moritz Moszkowski francês, de origem polaca, embora menos conhecido atualmente, foram muito respeitados e populares no final do século XIX. Seus Estudos de Virtuosidade e suas Danças Espanholas são tocados por pianistas até hoje ao redor do mundo.

Sua fama como compositor reside principalmente em suas peças para piano, escritas num estilo romântico lembrando a estrutura composicional de Schumann (1810 – 1856) e Chopin (1810 – 1849).

Schumann (1810 – 1856) e Chopin (1810 – 1849)

Moritz Moszkowski apresentou seu primeiro concerto, em Berlim na Alemanha, seguindo para várias cidades europeias em turnê antes de se fixar em Paris.

 Em uma destas apresentações tocou o Concerto n. 1 para piano e orquestra de Franz Liszt tendo na plateia o próprio compositor, que, diga-se de passagem, era o “pop star” do período chamado romântico. Conseguir a aprovação de Liszt era a porta de entrada para o sucesso.

Franz Liszt (1811 – 1886)

Depois de viver a fama, a sucesso de Moszkowski entrou em declínio ao enfrentar problemas de saúde e lidar com a perda de sua esposa e filha.

Infelizmente, o gosto musical da época e a opinião pública se voltaram contra o compositor, à medida que o novo século avançava e ele mantinha sua obra enraizada nas tradições do século XIX.

Moszkowski tornou-se recluso e com a produção musical diminuída à medida que sua popularidade caia. 

Seus últimos anos foram tristes e solitários. Moszkowski vendeu os direitos autorais de suas obras, investindo seus bens em títulos alemães, poloneses e russos que se tornaram inúteis com a eclosão da guerra de 1914.

Moritz Moszkowski (18541925)

Moritz Moszkowski morreu pobre e sozinho em Paris no dia 04 de março de 1925.

Ouviremos uma gravação do Estudo n. 6 em Fá Maior, dos Estudos de Virtuosidade Op.72 de Moskowski interpretado por Nelson Freire (1944) em uma gravação singular, com Freire ainda bem jovem.

Observe o talento e a maturidade musical de Nelson Freire evidenciada na performance do pianista, ainda tão jovem.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

ANTÔNIO MENESES (1957)

um dos violoncelistas mais famosos do mundo

Antônio Meneses (1957)

Antônio Meneses (1957) nasceu em Recife e ainda na infância mudou-se para o Rio de Janeiro. Seu pai, João Jerônimo de Meneses ,era trompetista do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e sonhava em transformar os filhos em instrumentistas de corda. Assim, aos seis anos de idade, o filho Antônio – na época apelidado de Toinho – iniciou os estudos de violoncelo.

“Orquestras sempre precisam de instrumentistas de corda, meus filhos vão todos tocar um instrumento de corda”.

João Jerônimo de Meneses

Desde a iniciação ao violoncelo, Meneses demonstrou enorme talento, vencendo vários concursos de música no Brasil, e aos 17 anos partiu para Europa para aprimorar seus estudos. Aluno primeiramente da Escola Superior de Música de Düsseldorf e posteriormente em Stuttgard, na Alemanha, vence em 1977, aos vinte anos, seu primeiro concurso Internacional, em Munique, de forma surpreendente: derrotou 40 candidatos,  vencendo o concurso por unanimidade.

Antônio Meneses (1957)

Em 1981 outra grande conquista, Meneses grava com o renomado maestro  Herbert von Karajan (1908-1989) e, no ano seguinte, vence o afamado Concurso Tchaikovsky , em Moscou, tornando-se a partir daí  mundialmente consagrado pela crítica e público especializado.

Atualmente Antônio Meneses vive na Suíça. Antes da pandemia, cumpria uma agenda lotada, apresentando-se regularmente como solista nas orquestras de Moscou, São Petersburgo, Nova York, Israel, Amsterdã, Suíça, Berlin e capitais brasileiras.

Meneses já se apresentou em Goiânia com a orquestra Filarmônica do Estado de Goiás, sob a regência do maestro inglês Neil Thomson (1966) e em recital ao lado a pianista goiana Celina Szrvinsk (1959).

Goiânia

Considerado um dos maiores violoncelistas do mundo, é membro titular do trio Beaux Arts Trio, uma das mais prestigiosas formações de câmara do mundo desde  1998.  Seu instrumento é um  Matteo Goffriler do século XVIII.

Seu instrumento é um  Matteo Goffriler do século XVIII.

Em  2011, a carreira de Meneses foi relatada em uma publicação intitulada  Arquitetura da Emoção, acompanhado de um CD com obras de Bach, Saint-Saëns, Fauré, Cassadò e Mignone ,  de autoria dos jornalistas Luciana Medeiros e José Luiz Sampaio.

Ouviremos Antônio Meneses ao lado do pianista  Cristian Badu, interpretando de Heitor Villa-Lobos (1887 – 1959) “O Trenzinho do Caipira  – arranjo de Ricardo Castro (1964) na sala São Paulo em 2019.  

Observe todo o talento e genialidade de  Antônio Meneses ao lado, do também talentoso, Cristian Badu.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

JESSYE NORMAN (1945 – 2019)

uma das raras cantoras negras a alcançar o estrelato mundial no mundo da ópera

Jessye Norman (1945 – 2019)

Lembramos hoje, Jessye Norman (1945 – 2019), uma das mais admiradas cantoras de ópera contemporâneas, uma das artistas mais bem pagas no mundo da música de concerto.

Jessye veio de uma família negra de classe média, nascida em Augusta, Geórgia, em 1945, período em que as tensões raciais eram muito intensas no sul dos Estados Unidos.

A família foi sua primeira referência musical, o pai cantava, a mãe e o avô materno tocavam piano, além de frequentar a Igreja Batista do bairro com intensa atividade musical. Assim Jessye, desde os quatro anos, se destacou cantando na igreja e posteriormente descobriu a ópera ao escutar récitas transmitidas pelo rádio.

Jessye dizia:

As histórias contadas nas óperas não eram diferentes das que eu conhecia. Um rapaz encontra uma garota, apaixona-se por ela, por alguma razão eles não podem ficar juntos e tudo se encaminha para um final triste”.

A soprano estadunidense viveu uma trajetória marcada pela voz imponente, qualidades emocionais expressivas, e um estilo intelectual formidável. Graças a uma bolsa integral, estudou música na Universidade Howard, de Washington. Posteriormente, continuou sua formação no Conservatório Peabody, em Baltimore, e na Universidade de Michigan.

Jessye Norman (1945 – 2019)

Nada foi capaz de deter a trajetória da grande artista. Dona de uma personalidade magnética, com sua imponente presença física, e uma extensão vocal admirável, sempre causou profunda impressão nas plateias por onde passou, interpretando com frequência papéis de princesas ou de outras figuras nobres inusitadas para cantoras negras.

Jessye Norman (1945 – 2019)

O repertório de Norman atravessa quatro séculos da história da música, começando no período barroco e chegando ao moderno. Além das óperas de Wagner, interpretou Beethoven, Berlioz, Gluck, Mozart, Strauss e Verdi. Também cantou, entre outros, peças de Berg, Brahms, Debussy, Mahler, Ravel, Schubert e Schumann.

Admirável e versátil, Norman se aventurou no jazz gravando um álbum celebradíssimo com o pianista e compositor Michel Legrand.

Não foram poucas as honrarias e celebrações que o fenômeno mundial da ópera, Jessye Norman, rompeu e venceu. Quatro prêmios no Grammy Awards, em 1989, no bicentenário da Revolução Francesa, data máxima da França, foi uma negra americana que cantou La Marseillaise. Foi à voz inconfundível de Jessye que brilhou na posse de dois presidentes dos Estados Unidos, Ronald Reagan, em 1985, e Bill Clinton, em 1997. Nos 60 anos da Rainha Elizabeth 2ª, da Inglaterra, em 1986. Na celebração dos 70 anos de Nelson Mandela, em 1988. Na abertura dos Jogos Olímpicos de 1996, em Atlanta. Na cerimônia pelas vítimas do 11 de setembro, em 2002. Norman sempre defendeu a diversidade e teve uma intensa atuação no engajamento a obras sociais e humanitárias.

60 anos da Rainha Elizabeth 2ª, da Inglaterra, em 1986

Jessye Norman morreu aos 74 anos na cidade de Nova York, deixando seu legado para o mundo da ópera.

Jessye Norman (1945 – 2019)

A família assim se pronunciou:

“Nós estamos orgulhosos das conquistas musicais de Jessye e da inspiração que ela foi para plateias por todo o mundo. Estamos igualmente orgulhosos de sua humanidade e seu ativismo em causas como a fome, falta de moradia, o desenvolvimento de jovens e a educação de arte e cultura”.

Ouviremos Jessye Norman interpretando Habanera (da ópera Carmen de Bizet)  com a Orquestra Nacional da França, sob a regência de  Seiji Ozawa.

Observe a expressividade e o timbre inconfundível de Jessye.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

CANTIGAS DO BEM-QUERER

Henrique de Curitiba (1934 – 2008) e Cassandra Rios (1932 – 2002)
Maestro Norton Morozowicz (1948)

Com as comemorações dos “dias dos Namorados”, no Brasil, propagandas e chamadas em mídias de toda natureza nós lembram que o AMOR está no ar.

Celebrando esse sentimento falaremos de uma obra composta em 1977. CANTIGAS DO BEM-QUERER fala de relacionamentos de forma plural e delicada. A música é de Henrique de Curitiba (1934 – 2008) e os versos de Cassandra Rios (1932 – 2002)

Henrique de Curitiba nasceu em um lar de artistas na cidade de Curitiba-PR, onde se graduou na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, de onde partiu para construir um sólido currículo internacional.

Henrique de Curitiba (1934 – 2008)

Henrique compôs mais de 150 obras no gênero instrumental, vocal e de câmara, destacando-se como um dos principais compositores brasileiros de sua geração. Tem obras editadas, executadas e gravadas, no Brasil e no exterior.

“um de nossos melhores compositores neoclássicos” (Mariz, 2000)

Segundo relatos do compositor Henrique sobre a obra Cantigas do Bem-Querer:

“A primeira versão desta obra foi escrita durante o IX Festival Internacional de Música do Paraná sob a Direção Artística do Maestro Roberto Schnorremberg (1929 – 1982), como peça de encomenda para aquele evento, do ano de 1977”.

Ainda segundo Curitiba, Cantigas do Bem-Querer foi composta durante os primeiros quinze dias daquele Festival:

“passada, de página em página, ao Madrigal dirigido por Samuel Kerr (1935), o qual em seguida a ensaiava. Foi apresentada em concerto no Teatro Guaíra em Curitiba, no final do Festival, com muito sucesso”.

As cantigas foram compostas para Coro, soprano solista, piano e orquestra de cordas.

Henrique relata que encontrou, por acaso, os versos de Cassandra Rios “num cesto de liquidação da antiga livraria Guignone, em Curitiba”. Henrique ficou completamente impressionado com o lirismo e beleza da obra desta escritora.

Cassandra Rios (1932 – 2002)

 A paulista, Odette Pérez Ríos (1932 – 2002), utilizava o pseudônimo de Cassandra Rios, em homenagem a sacerdotisa grega que profetizou o episódio do “Cavalo de Troia”.

Aos 16 anos, como Cassandra Rios, publicou seu primeiro livro: “A Volúpia do Pecado“, uma história de amor entre duas adolescentes, se tornando a primeira autora do país de romances eróticos voltados para esta vertente.

A Volúpia do Pecado” – Cassandra Rios

Ninguém foi mais perseguida pelos censores da ditadura brasileira do que Cassandra Rios, escritora recordista em vetos durante o regime militar.

Apesar da enorme perseguição, Cassandra Rios se tornou a primeira escritora brasileira a vender 1 milhão de exemplares, meta alcançada em 1970, sendo ainda, o primeiro caso conhecido de uma escritora nacional a viver exclusivamente da venda de seus livros.

Em entrevistas, Cassandra Rios revelou:

“Sou uma criatura simples, comum, cheia de problemas, tristezas e amarguras. A vida de escritora tem sido muito dura para mim.”

Os versos de Cassandra Rios musicados por Henrique de Curitiba, não tem título, os aqui apresentados são uma “livre referência” do compositor para os diversos trechos da obra musical: 1 – Chove…; 2 – No Mar…; 3 – Se me disseres…; 4 – Interlúdio I (cordas); 5 – Fecha os olhos… (Coro a capella); 6 – Eu te vi (ária de soprano); 7 – Interlúdio II (cordas); 8 – Final.

Celebraremos o amor em toda sua pluralidade com as – Cantigas do Bem-Querer.

Ouviremos a gravação do Concerto realizado na Capela Santa Maria em Curitiba, durante o Festival Padre Penalva em outubro de 2012, sob a direção do Maestro Norton Morozowicz (1948), irmão do compositor Henrique de Curitiba; com a Camerata Antiqua de Curitiba.

Capela Santa Maria em Curitiba

Observe a delicadeza da música de Henrique Curitiba e o lirismo dos versos de Cassandra Rios.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

DUO DE PIANO A QUATRO MÃOS

Lucas e Arthur Jussen
Lucas e Arthur Jussen

O piano a quatro mãos ocupa lugar de destaque no repertório camerístico.  Tocar a quatro mãos é uma excelente motivação para pianistas e importante ferramenta pedagógica no ensino do piano.

Foi na passagem do século XVIII para o XIX que surgiram na Europa as primeiras transcrições para piano a quatro mãos, as quais se tornaram o principal meio de divulgação da música sinfônica e de câmara. O sucesso desse repertório foi tão grande que alcançou obras dedicadas tanto para amadores – visando à prática doméstica de música, como para pianistas profissionais, impulsionando os compositores a escreverem peças originais para este gênero até os dias de hoje.

Um Duo de irmãos holandeses tem chamado à atenção do mundo da música de concerto. Lucas (1993) e Arthur Jussen (1996) vêm de uma família musical, a mãe Christianne van Gelder é professora de flauta e o pai, Paul Jussen, é timpanista da Orquestra Filarmônica da Rádio Holandesa em Hilversum e Percussionista do Essemble Da Capo”. 

Lucas e Arthur Jussen

Reconhecidos, desde muito cedo, como crianças talentosas, Lucas e Arthur colecionam vários prêmios nacionais e internacionais.


Lucas Jussen e Arthur Jussen
 Vencedores na categoria Música Clássica
(outubro de 2018  em Berlim, Alemanha)

Tocando quase sempre em Duo de Piano a Quatro MãosLucas Jussen, o mais velho dos dois irmãos diz:

“Não consigo me imaginar tocando com mais ninguém. É como se fôssemos uma pessoa”.

E é mesmo assim que soa o piano deste Duo que vem chamando a atenção no mundo – dois pianistas e uma sonoridade impecável.  

Lucas Jussen e Arthur Jussen

Curiosamente, o Duo Lucas e Arthur Jussen, em 2005, esteve no Brasil, durante quase um ano, a convite da pianista Maria João Pires (1944).

Nos anos seguintes, Lucas completou os seus estudos com o pianista Menahem Pressler (1923) nos Estados Unidos e com o pianista  Dmitri Bashkirov (1931 – 2021) em Madrid. Já Arthur diplomou-se pelo Conservatório de Amsterdã, onde estudou com o pianista e renomado pedagogo Jan Wijn (1934).

Antes da pandemia, o Duo apresentava-se em salas de concertos e festivais por toda a Europa, incluindo Concertgebouw de Amesterdã, Herkulessaal de Munique, Festival de Música de Rheingau, Festival da Holanda, Festival de São Petersburgo, sendo, desde 2010, músicos exclusivos da Deutsche Grammophon.

músicos exclusivos da Deutsche Grammophon.

O Duo já trabalhou com os regentes  Andris Nelsons (1978), Valery Gergiev (1953), Sir Neville Marriner  (1924 – 2016) e Yannick Nézet-Séguin (1976). Em julho de 2020, já na pandemia, realizaram um concerto gravado no Royal Concertgebouw Amsterdam para o Tanglewood 2020 Online Festival.

Lucas e Arthur Jussen

Atualmente Lucas e Arthur Jussen têm buscado as plataformas digitais e pretendem tocar para um publico cada vez maior e mais heterogêneo.

Ouviremos Lucas e Arthur interpretando a Fantasia em fá menor de  Franz Schubert (1797 – 1828)  em uma LIVE   gravada em uma das mais conceituadas salas de concerto do mundo  – Royal Concertgebouw de Amisterdã, Holanda, em julho de 2020, já na pandemia, para o Tanglewood 2020 Online Festival.

Observe, nessa interpretação memorável, a sonoridade e a beleza dessa obra de Schubert. A Fantasia em fá menor é uma obra do período romântico. O Romantismo favoreceu o piano. Tanto em casa, quanto em salões ou salas de concerto, o piano era capaz de transmitir os sentimentos mais profundos do compositor muito nitidamente, e, algumas vezes, de forma teatral. Pequenas e inúmeras peças foram escritas especialmente para o piano nesse período. Essa obra faz parte do repertório de muitos Duos, mas esta gravação em especial está de “tirar o folego”.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

“TICO – TICO NO FUBÁ” – ZEQUINHA DE ABREU (1880-1935)

Um sucesso que virou trilha de vários filmes

Zequinha de Abreu (1880-1935)

José Gomes de Abreu, o Zequinha de Abreu (1880-1935), era o primeiro dos oito filhos do boticário José Alacrino Ramiro de Abreu e de Justina Gomes Leitão. Como era o costume da época, a mãe queria que Zequinha fosse padre, e o pai, que se formasse médico.

Diferentemente do que a família esperava dele, aos seis anos, Zequinha já mostrava grande interesse pela música, tirando melodias na flauta e organizando, ainda durante o curso primário, uma banda na escola da qual era o regente.

Na década de 20, durante um baile, apresentou um choro e ficou surpreso com a reação entusiasmada dos pares de dança. Batizou a obra de “Tico-Tico no Farelo”. Como já existia um choro com o mesmo nome na época, composto por Américo Jacomino (1889-1928), Zequinha de Abreu resolveu intitulá-la “Tico-Tico no Fubá”.

Capa da Partitura – Irmãos Vitale
São Paulo, 1941

Apesar da boa acolhida do choro “Tico-Tico no Fubá” uma gravação só aconteceu quatorze anos depois, pela Orquestra Colbaz, dirigida pelo maestro Gaó (1909-1992).

Ao longo dos anos “Tico-Tico no Fubá” foi interpretado por dezenas de artistas, sua letra sofreu várias modificações e tornou-se um dos maiores sucessos da Música Brasileira no século XX.

“Um tico-tico lá/ O tico-tico cá/ Está comendo todo, todo, meu fubá/ Olha, seu Nicolau/ Que o fubá se vai/ Pego no meu Pica-pau e um tiro sai.”

(Trecho da letra feita por Eurico Barreiros para Tico Tico no Fubá)

A música foi um dos maiores sucessos da década de 1940 e fez parte da trilha sonora de cinco filmes: “Alô Amigos”, “A Filha do Comandante”, “Escola de Sereias”, “Kansas City Kity” e “Copacabana”, quando o choro foi cantado por, nada menos, que  Carmen Miranda (1909-1945).

Carmen Miranda (1909-1945)

Quanto a Zequinha, mudou-se para a capital paulista, onde se apresentava no Bar Viaduto, na Confeitaria Seleta, em clubes, cabarés, “dancings” e festas. Seu piano, conjuntos e músicas eram muito requisitados. Trabalhava também na Casa Beethoven, atraindo curiosos que passavam na Rua Direita. Como era um costume da época, mostrava ao piano, os últimos lançamentos musicais. Zequinha de Abreu era um autentico “pianeiro”.

Piano que pertenceu a Zequinha de Abreu

Foi neste período que veio a conhecer o editor musical Vicente Vitale, com quem iniciaria uma grande amizade e uma ligação importante – A Editora Irmãos Vitale lançou no mercado vários dos sucessos de Zequinha de Abreu.

O Melhor de Zequinha de Abreu – Irmãos Vitale

Dezessete anos após a morte de Zequinha de Abreu, os cineastas Fernando de Barros (1915-2002) e Adolfo Celi (1922-1986) e a Companhia Vera Cruz homenagearam o compositor com o filme “Tico-Tico no Fubá” (1952) com Anselmo Duarte (1920-2009) e Tônia Carrero (1922- 2018) nos principais papéis. Ainda hoje o Tico-Tico no Fubá faz grande sucesso.

Tico-Tico no fubá o filme

Ouviremos o Tico-Tico no Fubá com a Orquestra Juvenil da Bahia durante o concerto de encerramento da Turnê da orquestra jovem na Europa em 2018 na Philharmonie de Paris. A orquestra apresentou a obra de Zequinha de Abreu com arranjo de Jamberê – integrante do Programa NEOJIBA (Núcleos de Estudos Orquestrais Juvenis e Infantis da Bahia).

Observe a irreverencia dessa apresentação. Os músicos tocam e dançam mostrando toda a alegria e versatilidade da música de  Zequinha de Abreu.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

COMPOSITORAS MULHERES

Louise Farrenc (1804 – 1875)
Louise Farrenc (1804 – 1875)

Embora a música fosse vista como um “atrativo a mais” para as mulheres “de boa família” exclui-las de atividades musicais profissionais era algo considerado completamente normal até muito pouco tempo.

Num passado recente orquestras como a Filarmônica de Berlim, a Filarmônica de Viena e a Filarmônica Tcheca não permitiam a entrada de mulheres em seu corpo efetivo.

No século XIX, ser compositora era quase inimaginável. Segundo a pianista e compositora 

Clara Schumann (1819 – 1896):

“Acreditei que tinha talento criativo, mas desisti desta ideia; uma mulher não pode desejar compor – nunca houve nenhuma capaz disso. E eu serei a primeira? Seria arrogância minha acreditar nisso. “

Falaremos hoje da trajetória da francesa Louise Farrenc  (1804 – 1875).  Pianista e compositora, filha de uma família de artistas, demonstrou desde muito cedo aptidão musical. Embora desconhecida do grande público, Farrenc compôs um considerável volume de obras de grande qualidade para sopros, cordas e piano, além de Duas Aberturas e Três Sinfonias.

Louise Farrenc 

Aos 15 anos seus pais permitiram que ela estudasse composição, mesmo que estas aulas fossem restritas aos homens. Aos 17 anos Louise casou-se com o flautista Aristide Farrenc  (1794 – 1865) de quem herdou o sobrenome. O casal foi proprietário da editora “Éditions Farrenc” uma das principais editoras de música da França por quase 40 anos.

Aristide Farrenc  (1794 – 1865)

Mesmo considerando o preconceito existente no século XIX contra mulheres compositoras, Louise Farrenc desfrutou de grande reputação durante sua vida. Iniciou os estudos de piano com Cecile Soria,  ex-aluna de Muzio Clemente (1752 – 1832), recebendo também ensinamentos de Ignaz Moscheles (1794 – 1870) e Johann Hummel (1778 – 1837).  Suas obras demonstram influencia dos três compositores.

Muzio Clemente (1752 – 1832) , Ignaz Moscheles (1794 – 1870) e Johann Hummel (1778 – 1837)

Em 1842 Farrenc foi nomeada para o cargo de professora efetiva de piano do Conservatório de Paris, sendo considerada uma de suas melhores professoras. Segundo relatos da época, muitos de seus alunos formaram com o “Premier Prix”.

Apesar disso, Farrenc recebia salário menor do que seus colegas do sexo masculino.  Esta situação chegou ao fim após a estreia triunfante de seu,  Noneto em Mi Bemol Maior (1849), para quarteto de cordas e quinteto de sopros;  com a participação do violinista, de grande reputação na época,  Joseph Joachim (1831 – 1907).  

Noneto em Mi Bemol MaiorLouise Farrenc

Assim se expressou um dos maiores críticos do século XIX na França, na edição Biographie Universelle des Musiciens François – Joseph Fétis (1784 – 1871), sobre a compositora Farrenc:

“ Se o compositor é desconhecido, a audiência permanece não receptiva, e o as editoras, especialmente na França, fecham seus ouvidos quando alguém lhes oferece um trabalho decente (…)  seus trabalhos foram reconhecidos pelos sábios e conhecedores da época como de primeira linha, mas isso não foi o suficiente para ganhar fama duradoura como compositora”.

Louise Farrenc morreu em Paris em 1875.  Durante décadas após sua morte, sua obra sobreviveu, com o passar do tempo seus trabalhos foram em grande parte esquecidos até que, no final do século XX, a partir do interesse em pesquisas sobre mulheres compositoras, Farrenc  foi redescoberta e muitas de suas obras foram gravadas.

Gravação dos Pianos Trios e Sextetos de Farenc

Ouviremos de Louise Farrenc o afamado  Noneto em Mi Bemol Maior (1849) com o grupo de câmara da “Capella Coloniensis” – Orquestra fundada pela Rádio Alemã em Colônia (1954) com o objetivo de apresentar ao público ouvinte uma performance historicamente informada.

Observe a instrumentação requintada, para a épca, e o som dos nove instrumentos: violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, oboé, clarineta, trompa e fagote. O Noneto de Farenc possui quatro movimentos: 1. Adagio – Allegro; 2. Andante con moto; 3. Scherzo. Vivace; 4. Adagio –  Allegro.

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

%d blogueiros gostam disto: