CAMARGO GUARNIERI E A CIDADE DE GOIÂNIA

 “Devo prestar uma homenagem ao povo goiano que, acolheu-me como filho adotivo, permitiu que eu desfrutasse aqui do convício de sincero amor pela música brasileira”



Camargo Guarnieri (1907 – 1
993)

Agraciado com o prêmio “Gabriela Mistral”, pela Organização dos Estados Americanos (OEA), em  Washington, como “Maior Compositor Contemporâneo das Três Américas”,  Camargo Guarnieri é considerado, ao lado de Villa-Lobos,  um dos maiores compositores do Brasil.

Filho de músicos recebeu o nome de Mozart Camargo Guarnieri.  Nascido em Tietê-SP,  iniciou seus estudos musicais aos 10 anos com Virgínio Dias, a quem dedicou sua primeira obra. No entanto, foi após o acontecimento da Semana de Arte Moderna que Guarnieri começou a compor regularmente. 

Guarnieri representa a concretização musical do nacionalismo modernista. Suas relações com as ideias modernistas, e particularmente com Mário de Andrade, têm características relevantes para música brasileira. Mário de Andrade (1893-1945) e Lamberto Baldi (1895-1979) foram os responsáveis pela formação do então jovem compositor.  Baldi trabalhava os aspectos técnicos musicais enquanto Mário de Andrade o orientava em estética e cultura geral.



Mário de Andrade,  Lamberto Baldi  e Camargo Guarni
er

“Devo toda a minha formação humanitária a Mário de Andrade. Ele foi meu exemplo de caráter, honestidade e bondade”.  Camargo Guarnieri

O nacionalismo, traço marcante na obra de Guarnieri, não consiste em citar melodias folclóricas nem empregar elementos folclóricos não modificados, ele escreve uma música brasileira, de forma intelectual e criativa. 

Segundo o Professor Wolney Unes:

“ Não foi antes de Guarnieri que a produção musical erudita nacional atingiu plena maturidade. O compositor paulista soube como nenhum outro no Brasil dar universalidade à linguagem musical, sem perder de vista as fontes nacionais nem sua marca pessoal, peculiaríssima (…)”. 

Onde entra a cidade de Goiânia na vida do eminente compositor?

Segundo uma de suas biógrafas, a goiana Consuelo Quireze Rosa, seu primeiro contato com a Universidade Federal de Goiás se deu nos anos sessenta.

Guarnieri veio a primeira vez em Goiânia,  após convite, da então aluna Glacy Antunes de Oliveira, para que o compositor fosse paraninfo da turma de formandas  de Piano do Conservatório Goiano de Música.

A partir desta data, inicia-se a estreita relação de Camargo Guarnieri e a cidade.

O compositor paulista passa a integrar o corpo docente do Conservatório Goiano de Música e a conviver intimamente com a comunidade. Aqui fez amigos, compartilhou ideias e influenciou a vida musical.  Foi muito amado e homenageado em Goiânia. 


Camargo Guarnieri e Belkiss S. Carneiro de Mendonça

O maestro, por sua vez, retribuiu dedicando obras a vários goianos como as alunas, Flávia Cruz e Mônica Rassi, às musicistas: Glacy Antunes,  Wanda Amorim,  Consuelo Rosa, Custódia Annunziata, Maria Lúcia Roriz, Celina Szrvinsk , Mercia Mendonça, Ângela Barra, Maria Stela Cunha, Maria Lucy Teixeira, Wanda Goldfeld, Elciene Oliveira, Tânia Póvoa. A vice-diretora da Escola de Música, à época, Raulice Bahia   e  a saudosa e grande divulgadora da obra de Guarnieri, Belkiss  Spencieri Carneiro de Mendonça. 


Tânia Póvoa, Belkiss  Carneiro de Mendonça e Maria Lucy Teixeira

Em 1987, Camargo Guarnieri, por indicação do Maestro Norton Morozowicz,  recebeu da Universidade Federal de Goiás o importante  título de Doutor honoris causa e assim se pronunciou:

“Devo prestar uma homenagem ao povo goiano que, acolheu-me como filho adotivo, permitiu que eu desfrutasse aqui do convício de sincero amor pela música brasileira”. 

Guarnieri muito contribuiu para a literatura pianística. Para piano solo compôs: Ponteios, Valsas, Momentos Musicais, Improvisos, Sonatas, Sonatinas, dentre outras.  Aqui destacamos os 20 Estudos para piano. Assim como os estudos de Chopin, os estudos de Guarnieri apresentam dificuldades técnicas e interpretativas diversas. Os vinte estudos foram compostos entre os anos de 1949 e 1987, sendo quatro dos vinte, dedicados a pianistas goianas, a saber, o de número 13 à Wanda Fleury; o número 14 à Belkiss Carneiro de Mendonça; o número  15 à Consuelo Quirese e o número  18 à Glacy Antunes. 

Observe a textura polifônica trabalhada por Guarnieri neste conjunto de obras.

Ouviremos, os 20 estudos de Guarnieri, interpretado pelo pianista estadunidense Frederick Moyer (1957).

Boa audição!

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas redes sociais!

2 comentários em “CAMARGO GUARNIERI E A CIDADE DE GOIÂNIA

  1. Parabéns querida Gyovana!!! Amei seus comentários sobre o Camargo Guarnieri! Sempre a acompanho, e mesmo que nem sempre me manifeste, sou grata pelas suas postagens no ” papo musical”: informações e comentários pertinentes, e uma feliz escolha das músicas. Mais uma vez parabéns e parabéns!!!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: