FRANCISCO MIGNONE OU CHICO BORORÓ

compositor, pianista, regente, professor, flautista

Francisco Mignone (1897-1986)

O pianista, flautista, regente e compositor brasileiro Francisco Paulo Mignone (1897-1986) iniciou os estudos musicais com o pai, o imigrante italiano Alfério Mignone, professor de flauta do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo (CDMSP).

Alfério Mignone

Aos 10 anos, Mignone começa a estudar piano com Silvio Motto. Com apenas 13 anos de idade, passa a atuar como flautista e pianista além de regente de orquestras no cinema.

O jovem músico participava de grupos de choro e compunha canções populares, assinando como Chico Bororó, obras essas, interpretadas por grandes nomes como o cantor Francisco Alves (1898 – 1952).

Francisco Alves (1898 – 1952).

Naquela época, a chamada “música erudita” não se misturava com a “música popular”.  Motivo pelo qual, Francisco Mignone, se viu obrigado a utilizar o pseudônimo de Chico Bororó.

Diplomado pelo Conservatório Dramático de Música de São Paulo em flauta, piano e composição, Mignone, começa apresentar suas primeiras obras sinfônicas, com enorme sucesso, indo, em seguida, prosseguir estudos em Milão na Itália.

Na Itália estuda com o compositor italiano Vincenzo Ferroni (1858 – 1934), ex-aluno do compositor francês Jules Massenet (1842 – 1912) no Conservatório de Paris, que o introduz nas técnicas composicionais francesas bem como na tradição operística italiana.

Vincenzo Ferroni (1858 – 1934)

De volta a São Paulo, em 1929, torna-se professor da instituição onde fora aluno, e se aproxima das propostas nacionalistas do ex-colega de conservatório, Mário de Andrade (1893 – 1945), de quem se torna grande amigo.

Mário de Andrade (1893 – 1945)

Em 1932, casa-se com Liddy (1891 – 1962), filha do afamado professor de piano Luigi Chiaffarelli (1856 – 1923). No fim do mesmo ano, muda-se para o Rio de Janeiro e passa a lecionar no Instituto Nacional de Música, desenvolvendo importante carreira acadêmica, formando regentes e compositores que se destacam no meio musical brasileiro, como Roberto Duarte (1941) e Ricardo Tacuchian (1939).

No ano de 1951 assume a direção do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e integra a Academia Brasileira de Música.

Em 1963, já viúvo de Liddy, casa-se com a pianista paraense Maria Josephina (1923), com quem desenvolve frutífera parceria em recitais a quatro mãos e, é quem, até os dias de hoje,  aos 98 anos,  cuida do acervo e da divulgação da obra do compositor.

Maria Josephina (1923) e Francisco Mignone (1897-1986)

Os estudiosos dividem a obra de Francisco Mignone em duas fases: a primeira, sob influência italiana, na década de 1920, quando Mignone foi para Milão. (Ressalta-se que embora com forte influência italiana, nesta fase ele também compôs sobre temas brasileiros).  Já a segunda fase, repleta de influências do amigo Mário de Andrade é marcada por seu engajamento no movimento modernista.

Francisco Mignone em Milão na Itália (1921)

Um dos compositores mais profícuos do Brasil, Mignone destacou-se com suas obras sinfônicas, contribuiu de forma decisiva para a música vocal com os ciclos de canções sobre poemas modernistas de Manuel Bandeira (1886 – 1968) e Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987), bem como as peças baseadas em poemas e melodias folclóricas.

Destacou-se também na  composição de ópera, como Chalaça e O Sargento de Milícias, além dos bailados Quincas Berro d’ÁguaO Caçador de Esmeraldas.

O principal marco da transição para o nacionalismo na obra de Mignone  é a composição do bailado Maracatu do Chico-Rei, em parceria com Mário de Andrade, inspirado em episódios da construção da Igreja de Nossa Senhora do Rosário, em Salvador.

Atuando em várias vertentes, Mignone chega a abandonar os critérios composicionais nacionalistas e emprega a técnica dodecafônica, retomando o sistema tonal na década de 1970.

Francisco Mignone contribuiu enormemente para a literatura e repertório do piano brasileiro, destacam-se as Doze Valsas de Esquina, compostas entre 1938 e 1942, nas quais buscava reproduzir a maneira de tocar dos chorões.  Nessas obras, vem à tona o músico popular escondido no passado, estão aí o “brejeiro”  Chico Bororó

Francisco Mignone

Ouviremos uma gravação histórica disponibilizada pelo Instituto Piano Brasileiro.  O Concerto para piano e Orquestra de Francisco Mignone com a Orquestra Sinfônica Brasileira, solo do pianista Arnaldo Estrella (1908 – 1980) sob a regência do próprio compositor.

Arnaldo Estrella (1908 – 1980)

Observe a riqueza musical desse concerto brasileiro tão pouco tocado. Pela primeira vez no blog o vídeo vem com a partitura musical. Aproveite!

*Depois, deixe seu comentário e vamos papear também nas Redes sociais!

4 comentários em “FRANCISCO MIGNONE OU CHICO BORORÓ

Deixe uma resposta para Eduardo Passos da Costa Souza Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: